Técnicas de aplicação em tecidos em design de interiores

A utilização de tecidos no design de interiores não é algo novo, mas novas tendências do mercado da decoração ampliam os horizontes criativos. Em geral, os tecidos são leves, mais fáceis de converter ou mesmo desmontar. Além disso, oferecem também proteção contra o vento, chuva e até mesmo raios ultravioleta. Nos projetos de design ao […]

27 de junho de 2019 0

A utilização de tecidos no design de interiores não é algo novo, mas novas tendências do mercado da decoração ampliam os horizontes criativos.

Em geral, os tecidos são leves, mais fáceis de converter ou mesmo desmontar. Além disso, oferecem também proteção contra o vento, chuva e até mesmo raios ultravioleta.

Nos projetos de design ao redor do globo, os tecidos agora são considerados o quinto material de construção mais utilizado, ao lado do aço, pedra, madeira e concreto.

Com tantas facilidades e benefícios para projetos de decoração, a arquitetura têxtil transforma tanto o interior como o exterior de construções. Versátil, o tecido ganhou de vez o mercado de design de interiores.

Para quem ainda tem dúvidas sobre as técnicas de aplicação de tecido em diferentes superfícies, separamos um guia prático com dicas especiais. De forma rápida e prática, esses métodos de design de interiores podem embelezar ambientes residenciais, comerciais e corporativos. 

Onde usar o tecido

São inúmeras as possibilidades e aplicação do tecido para a decoração, dependendo apenas da criatividade de cada pessoa.

Você pode apostar em uma grande variedade de objetos, como vasos de planta, por exemplo. Ou mesmo em cadeiras, poltronas, portas, paredes e divisórias. O tecido pode trazer conforto, transformando um espaço comum em um cantinho especial.

É claro, existem também as superfícies clássicas, como estofados, almofadas e afins. Independente de onde for a aplicação, é preciso considerar sempre o tecido certo para cada projeto.

O mercado oferece uma imensa gama de tecidos disponíveis, cada um com texturas e níveis diferentes de resistência. Por isso, a escolha do tecido não deve levar em conta apenas o fator estético, mas o seu impacto na aplicação.

Para entender melhor esse assunto, a seguir separamos algumas técnicas de aplicação em tecidos para diferentes superfícies.

 

Técnicas para aplicação de tecido em cada superfície

Cada caso é um caso. Essa regra vale para tudo. No design de interiores, certamente não é diferente. O tecido e a superfície ou objeto a ser aplicado devem ser estudados com cuidado antes de qualquer projeto decorativo.

No caso das almofadas, por exemplo, não há problema se o tecido for fino. Agora quando o assunto é forração de móveis, já devemos utilizar uma base mais encorpada e resistente.

Outro ponto a considerar é o estilo do ambiente. Quer evitar erros? Tire uma foto do local. Assim, quando estiver escolhendo os tecidos para comprar, você facilitará a visualização do ambiente.

O material de composição também requer atenção. Entre fibras sintéticas e naturais, qual a melhor? Você sabe? A resposta é: depende.

Não há melhores ou piores nesse caso, mas as mais adequadas a cada objetivo de design de interiores. Por isso, antes de escolher um tecido, é preciso levantar algumas perguntas:

Para esse objetivo, eu preciso de um tecido mais ou menos elástico? E a resistência, precisa ser alta? É para área interna ou externa? Projetos de design em ambientes externos trazem seus próprios desafios, como temperatura e níveis de umidade, entre outros.

Vamos explorar melhor essas questão entendendo, caso a caso, como se dá algumas das aplicações mais utilizadas por designers de interiores.

Móveis

Antes de qualquer coisa, é importante limpar a superfície com álcool antes de qualquer revestimento. Não se esqueça: você deve limpar todos os cantinhos para não restar nada que possa prejudicar a aplicação.

Com o móvel limpo, é a hora de tirar as medidas. Basta colocar o tecido escolhido sobre ele, então medir as proporções para o corte. Aconselhamos deixar uma sobra para que você possa envolver as laterais da peça.

Para uma melhor aplicação, recomendamos o uso da espátula. Passe com cuidado sobre o tecido para que ele não rasgue, mas firme o bastante para uma aplicação uniforme.

É essencial dar atenção à impermeabilização. Ela ajuda a preservar o tecido, evitando que o mesmo suje com facilidade. Misture meio copo de água com meio copo de cola branca e use o rolinho para passar sobre o tecido.

Estofados

Primeiro, costure o tecido. Sugerimos a utilização de máquinas de costura metálicas para tecidos pesados, pois aguentam muito mais do que aquelas de plástico leves.

Procure costurar ao longo das bordas deixando sempre uma margem de segurança de 1,5 centímetros.

Para a aplicação, a sugestão é usar um grampeador manual para prender no estofado. Esse processo deve começar de dentro para fora. Se for um sofá, por exemplo, primeiro prenda o assento, então a parte interna dos braços e depois o encosto.

Independente da técnica escolhida para prender o tecido, puxe-o bem neste momento. Caso contrário, com o tempo corre o risco dele esticar, prejudicando o resultado final da aplicação.

Paredes

Para garantir o sucesso da aplicação, a parede precisa estar em bom estado. Ou seja, preferencialmente limpa, seca e sem grandes imperfeições. Qualquer um desses pontos vai afetar o resultado do processo.

Se precisar, invista naquela lixadinha, garantindo que tudo estará certo na hora de iniciar a aplicação. Outra coisa é assegurar que ela estará em local seco e longo de infiltrações.

No caso das paredes, dê preferência a tecidos mais finos. Os pesados, muitas vezes, acabam descolando com o tempo. Os tipos podem variar, desde que sejam tecidos com até 70% de algodão.

No design de interiores, a decoração é o norte. Na hora de pensar em estampas, opte pelas menores e mais discretas caso a parede for grande. Se houver a necessidade de fazer emendas, texturas maiores e mais complexas podem desequilibrar os elementos decorativos.

Lembre-se: revestir uma parede não significa ignorar o seu tom original. Caso você utilize um tecido claro e fino, é preciso que a parede embaixo esteja branca, ou ela vai interferir na cor final.

Outra dica para se ter em mente: existem tecidos que mancham em contato com a água e a cola. Por isso, faça um teste: pegue um pedaço daquele que você escolheu e veja como ele vai reagir à mistura.

Na hora de fazer a mistura, mantenha a proporção ⅓ de água para ⅔ de cola. Encontre o ponto de equilíbrio: ela não pode ficar nem muito líquida, mas também não muito grossa.

A aplicação deve ser feita com a ajuda de um rolinho por toda a parede. Espere alguns minutos até a superfície apresentar um aspecto pegajoso. Depois, é só colocar o tecido recortado, cuidando para deixar pequenas sobras no teto e no rodapé para fazer o acabamento com estilete.

Dicas práticas de aplicação

Não há mistério: as aplicações são práticas e qualquer pessoa pode fazer em casa. Agora para facilitar ainda mais o seu projeto de design de interiores, acompanhe nossa lista de dicas complementares. Esteja sempre atento a esses pontos antes de colocar a sua ideia em ação:

  • Se a superfície não for uniforme, passe massa corrida para cobrir imperfeições.
  • Para melhores resultados a longo prazo, dê preferência a tecidos mais grossos, como algodão, linho e lã.
  • Seda e outros mais finos e delicados podem encolher. Requer cuidado especial.
  • Pincel e espátula são grandes aliados na missão de espalhar bem a mistura e garantir uma aplicação uniforme.
  • Fique atento ao excesso de cola: utilize um pedaço de pano para limpar quando necessário.
  • Depois da secagem completa, passar um verniz fosco para impermeabilizar traz um bom resultado.

 

Assim ficou ainda mais fácil trazer o melhor do design de interiores para dentro da sua casa. Siga essas dicas e escolha muito bem o tecido a ser utilizado. 

Não se esqueça: registre as superfícies, móveis ou objetos antes de investir em todo esse processo. A sua criatividade começa aí, visualizando o mar de possibilidades que os tecidos trazem para a decoração de ambientes.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/wiler-k/www/blog-new/wp-includes/functions.php on line 5219

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/wiler-k/www/blog-new/wp-includes/functions.php on line 5219